sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

A tristeza apodera-se-me do coração...

Esta postagem não é bem sobre história... ou será que é?

Os filmes Passarinho da Ribeira e A costureirinha da Sé, filmes produzidos na nossa cidade aí pelos anos 50, não serão provavelmente conhecidos por toda a gente, nomeadamente dos mais novos; e quando se fala de filmes antigos feitos no Porto o primeiro que salta à mente de todos será provavelmente o Aniki-bobo nem que seja por mera analogia com o nome de quem o realizou.

Contudo estes dois filmes, de história singela, fruto do seu tempo, são uma pequena janela para um Porto que já não volta mas é pertença de várias gerações ainda vivas e que por isso esse tempo está de uma certa forma ainda vivo (se me faço entender).

Ao (re)ver a Costureirinha da Sé não pude deixar de sentir uma certa tristeza pelo ambiente atual do seu cenário principal, a casa no pequeno largo à entrada da rua da Penaventosa, lar das protagonistas principais. Eu já por ali passei várias vezes e ainda não havia registado o estado do edifício atualmente, mas já havia na minha ideia esta postagem a mostrar um 1958 vs 2016.

Cá está ela, "desfrutem..."

1958 (1)
2 de Dezembro de 2016

1958 (2)

Como se vê aquela casinha do século XVII (ou melhor, a fachada) está em pardieiro. Até a Nossa Senhora já saiu da edícula e se foi refugiar num outro qualquer local... Para quando a restauração daquela casinha bem como de outras de igual têmpera e ancianidade que pela cidade existem? Muito se tem feito já, é verdade, mas muito mais, creio, falta fazer.

Mas faço votos de uma coisa: que não seja transformada em mais um hostel ou casa de aluguer para turistas. COLOQUEM LÁ PESSOAS A VIVER. Tenho a certeza que encontrarão pessoas que possam dizer: "aqui vou ser feliz!"

1 comentário:

  1. Nunca me tinha apercebido da Casa em relação ao filme. Infelizmente está para ali toda entaipada há pelo menos 9 anos.
    Mas não vejo jeito de alguém a reconstruir.

    ResponderEliminar