sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Nota de Rodapé n.º 4 - A casa do Corpo da Guarda

"EDIFICIO HISTORICO

Está quasi concluida a demolição da casa do Largo do Corpo da Guarda, onde foi o primeiro theatro lyrico e que, mais tarde, serviu de quartel aos grilhetas.
O primeiro theatro d'opera lyrica foi inaugurado em 15 de maio de 1762, com a opera El trascurato (O descuidado), de Pergholese. A prima-dona chamava-se Giantini.
O theatro tinha a principio uma só vista, que era uma sala-regia, e n'ella corriam todas as peripecias do drama, sem se attender á veresimilhança do local."

Notícia extraída do O jornal do Porto de 12 de Outubro de 1892.

O edifício referido ficava num local que agora não existe de todo: o Largo do Corpo da Guarda. O monte foi esventrado, a cota muito rebaixada, sendo que nele temos hoje a Avenida Dom Afonso Henriques.
Construido no início do século XVIII para albergar um regimento militar, o que veio dar o nome ao largo; na fase final da sua existência albergou os calcetas, rapazes que cuja pena era trabalharem no calcetamento das ruas.

A sua demolição referida pelo jornal, feitas já a pensar no alargamento do acesso ao tabuleiro superior da ponte Luis I, viria a culminar precisamente na construção dessa avenida já nos anos 50 do século XX, que para sempre destruiu uma das mais antigas áreas da cidade conhecida como cividade (nome que por si só indica o quão antiga seria a ocupação do solo naquele local). 


"...consta este quartel de quatro arcos de cantaria bem talhada, os quaes formaõ a frontaria principal, que olha ao Nascente, no centro delles estaõ as armas Reaes Portuguezas lavradas em pedra e por baixo o anno da fundaçaõ deste edificio" (de Sousa Reis)

OBSERVAÇÃO: Se o primeiro teatro foi realmente colocado nesse edifício, é algo que solicito me confirmem, pois a ideia que tenho é que esse teatro foi colocado num outro edifício do mesmo largo.

Sem comentários:

Enviar um comentário