terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Nota de rodapé n.º 2 - A definitiva organização da cidade

No primeiro ano da revista O Tripeiro (1908-1909) surge publicada a obra do Dr. Ricardo Jorge intitulada Origens e desenvolvimento da população do Porto. Nele, a pp, 248 encontramos a seguinte nota de rodapé, que mais curiosa se torna quando a lemos à luz do século XXI, tendo em conta todo o século que sobre ela permeia:

"... Recentemente rasgou-se, por accôrdo da Camara e Governo, uma estrada de circumvallação, que obrigou a uma nova limitação municipal, exarada no decreto de 21-11-95 (Diario n.º 267), que encorporou no Porto as freguezias de Ramalde, Nevogilde e Aldoar, todas do concelho de Bouças, já pelas annexações anteriores despojado para o alargamento da cidade.

A organisação actual é muito viciosa e criticavel; confere ao municipio uma área desproporcionada, retalha a freguezia de Campanhã, cortando metade já incluida no Porto desde 36, emfim faz discordar a divisão administrativa da divisão parochial e ecclesiastica, o que é inconveniente sob todos os pontos de vista, e particularmente para a estatistica.

Entretanto temos defronte a visinha Gaya, intimamente relacionada com o Porto pelo seu passado e pelo seu commercio, hoje ligada por duas pontes, que bem devia formar corpo com a cidade, um Porto occidental."

Olhando ao texto do autor que deu origem a esta nota de rodapé, este elucida sobre o como era a cidade anteriormente a 1895:

"... Os suburbios enredados pelos braços de polvo das ruas irradiadas da cabeça da cidade, tornam-se citadinos; o municipio absorve as freguezias cirundantes. Até 1836, consta o Porto propriamente de sete freguezias, Sé, Victoria, S. Nicolau, Santo Ildefonso, Miragaya, Massarelos e Cedo'feita. Pelo decreto de 26-11-36, foram-lhe annexadas Lordello do Ouro, Campanhã e S. João da Foz; e por carta de lei de 27-8-37, nova annexação, a de Paranhos.

...Santo Ildefonso, d'uma área enorme, foi desmembrada, creando-se á sua custa uma nova freguezia, a do Senhor do Bomfim."

Assim, vemos resumida, a expansão em área da cidade do Porto, em poucas linhas e torna-se (pelo menos pelo autor deste blogue) um pouco mais claro o porquê de nos jornais do início do século XIX se designar como suburbanas as freguesias de Massarelos e Cedofeita; porque o eram de facto.

Sem comentários:

Enviar um comentário