domingo, 2 de novembro de 2014

Fragmentos da cerca velha

Todos os portuenses que gostam da história da sua cidade sabem que existiu uma "muralha fernandina" da qual ainda podemos apreciar trechos mais ou menos longos nos Guindais e nas Escadas do Caminho Novo. Do que nem todos se lembram é que o burgo teve anteriormente a esta que é do século XIV (e que mais precisamente se deveria chamar gótica) uma outra cerca que a cingiu durante séculos e que foi alvo de ampliações e melhoramentos ao longo da sua vida útil.

Na imagem 3 abaixo, que está disponível no site http://gisaweb.cm-porto.pt/, vemos um dos dois panos da cerca velha ou muro velho, que foram encontrados aquando das demolições na Calçada da Vandoma nos meados do século passado.

Contudo, embora um desses panos tenha ficado exposto, constituindo ainda hoje o mais notável resquício de muralha românica e pré-românica que abarcava o pequeno burgo do século X a XIII (ver imagem 2); o outro foi soterrado em virtude dos planos urbanísticos que para aquela zona existiam, e assim permaneceu até esse mesmo arranjo ruir nos anos 50. O que fizeram posteriormente deixou-o exposto. Mas na atualidade ele encontra-se novamente escondido bem perto da estátua de Vimara Peres (o dux asturiano que em 868 colocou a cidade definitivamente em mãos cristãs).

A imagem 1 é o desenho incorporado na monumental obra coordenada por Damião Peres dedicada à história da cidade, que nos mapeia a localização destes veneráveis restos.

Outros haverão ainda escondidos pelo casario das ruas da Sé, que serão expostos, ainda que temporariamente, conforme as obras de requalificação das habitações forem decorrendo. Mesmo estes dois trechos só foram descobertos graças às obras efectuadas na Calçada da Vandoma e adjacências, que desvirtuaram completamente o local deixando (a meu ver) como único ponto positivo o trazer à luz do dia estes parcos restos da muralha que nos ensina que o Porto já foi outrora um quase insignificante burgo empoleirado no topo de um monte.

1) o A mostra-nos o local do resquício em questão, o B o cubelo e pano que ainda hoje se vê e a estrela vermelha a localização aproximada da Porta da Vandoma.
2) pequeno pano de muralha e cubelo que se encontravam escondidos atrás dos edifícios demolidos aquando do arranjo urbanístico da área, nos meados do século XX. As fiadas superiores do cubelo e as ameias são obra de reconstrução dessa mesma época em que a política de restauro dos monumentos era bem diferente da que agora temos...
3) o pano de muralha (dentro do círculo) tem em cima, à esquerda a Catedral e à direita (as pedras mais claras) a construção do muro onde agora existe o túnel que penetra no bairro da Sé pela Rua Escura.



Sem comentários:

Enviar um comentário