quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Ainda a Porta Nobre...

"Ao chegar-se perto do rio, próximo do lugar de Miragaia, abria-se outra porta, a que chamavam Porta Nobre ou Porta Nova, que devia erguer-se perto do ângulo formado pelo sector descendente da muralha com a porção que depois seguia, quase horizontalmente, ao longo do Douro.

Parece que no seu lugar existiria, primeiramente, um postigo, o Postigo da Praia, ou Postigo de Miragaia; e terá sido D. Manuel quem o transformou em verdadeira porta, porta ampla, majestosa, para que, por ela, entrassem no Porto, solenemente, pomposamente, os senhores graúdos - os Príncipes de sangue e os Príncipes da Igreja, os grandes Magistrados da Governação. Impossível dizer quantos figurões terão atravessado aquela Porta, com a solenidade inerente às coisas e às figuras solenes, ao correr dos seus três séculos de existência.

Qual terá sido a anatomia desta aparatosa porta, a anatomia que lhe deram os mestres de pedraria manuelinos?

Das duas imagens que aqui se reproduzem, pode concluir-se que os artistas desta obra manuelina não a marcaram com nenhum dos sinais característicos do seu estilo: nem cordas, nem esferas, nem cruzes, nem nada. Nem sequer ameias específicas, dado que, pelo menos as de Pedro Vitorino, são retintas medievais.

Nesta versão, desenhada por Gouveia Portuense "segundo dados fornecidos" pelo Mestre arqueólogo, trata-se de um torreão perfurado na base pela porta (...)



A outra imagem, que dizem ter sido copiada do natural pelo professor de desenho Francisco José de Sousa, ainda com ela convivente, em carne e osso, essa é de estrutura muito diferente.



Antes de mais, enquanto que a porta de Vitorino se abre num corpo saliente do torreão, a de Sousa é, ao contrário, num corpo bastante reentrante que ela está aberta. Em ambos os desenhos, a pedra de armas (...) encima o vértice das portas. Mas, ao passo que a pedra vitoriniana não tem, para cima dela, mais que paramento de silharia seguida, ininterrupta, a do outro exibe dois andares de janelas, com seus arcos apontados, janelas que ainda se repetem nas faces diedras da reentrância.

E é tão engraçado aquilo, que apetece pensar existir ali, um recantozinho bem adequado à bisbilhotice entre vizinhas desocupadas; e ainda adequado ao desdobramento festivo de colgaduras damasquinas, na hora do desfile de cortejos introdutores dos senhores conspícuos. Acontece, porem, que todas as fenestras estão reticuladas de fortes grades de ferro, que nem consentiriam o apoio regalado dos cotovelos mexeriqueiros, nem a fácil exposição dos estofos orientais. Para quê, portanto, aquelas tão lindas janelas?

Diz-nos o descritor deste desenho que "Sobre esta porta se construiu uma casa para a guarda[...]", e então as janelas gradeadas seriam as da moradia do mini-alcaide daquele torreão. Mas, o mesmo cicerone acrescenta ainda que "sobre o arco da Porta Nova estava uma ermida dedicada a N.ª Senhora do Socorro, templo de grande luxo pela grande devoção que o povo tinha à sua padroeira[...]"

Vê-se, assim, que estas janelinhas, destinadas, pela nossa fantasia, à coscuvilhice das comadres e ao cromatismo dos panos de Damasco, pertenciam afinal, a uma modesta alcaidaria e a Nossa senhora do Perpétuo Socorro. Acontece ainda que, segundo Rebelo da Costa, era por ali o Presídio dos Soldados, e, por isso, é de perguntar: como se arrumariam e como conviveriam habitantes tão heteróclitos, naquele torreão da Porta Nova? Como poderia, espaço tão exíguo, como aquele que a gravura denúncia, conter os aposentos do castelão com seus familiares, conter uma ermida, "um templo de grande luxo", a que concorriam multidões de peregrinos, e ser ainda prisão militar?

Também se sabe, ou se julga saber, que, quando o Rei-Venturoso ampliou, de postigo a porta, a abertura de Miragaia, mandou igualmente construir, entre ela e o rio, um baluarte extra-muros, um reforço da fortificação antiga. Luxo apenas, ou prevenção contra qualquer ataque fluvial à Muralha? Ataque de quem? Sabe-se lá...

Esse baluarte ameado, de configuração circular, está presente na gravura vitoriniana que se reproduz (...)

A Porta Nova e seu Baluarte, desapareceram, como todas as portas da muralha fernandina, sob o tufão do Progresso. (...)

Aqui, porém, o desaparecimento foi efectuado, segundo se diz, por um método diferente do, até então, habitual - a bota-de-elástico demolição a camartelo: foi feito pelo sistema, verdadeiramente percursor na época, da soterração.(...)

(...) Mas, não se diz que a técnica, então encarregada de fundamentar a actual Rua da Alfândega, para não arcar com as despesas da demolição daquelas construções castrenses, preferiu soterra-las no entulho do aterro, assim mesmo, inteirinhas, como estiveram, ao correr dos séculos, no exercício das suas funções?

Este soterramento não se nos afigura de uma possibilidade material muito persuasiva. Soterrar aquele alteroso bastião, com seus três andares, suas janelas alcaçarenas, sua Ermida do Perpétuo Socorro, tudo assim, de pé, integro e intocado, - é coisa custosa de engolir... Para mais o solicito informador acrescenta, ainda, que a engenharia da obra teve o amorável cuidado de mandar obturar, de pedra e cal, o vão da Porta Nobre, antes de, para sempre a abafar sob os acervos entulhantes!... Como que veste o pálio-rico ao morto querido que vai a enterrar."

in' O Tripeiro, série VI, Ano XII, nº 2; pela pena de Mário de Menezes.

_________
NOTA: A pedra de armas desta porta encontra-se no museu Soares dos Reis. Infelizmente quem lá for muito provavelmente não a verá. Isto porque ela ou se encontra em armazém, ou no jardim maior do museu; jardim esse vedado ao público.
O escudo desta pedra tem a particularidade bastante interessante de possuir 13 castelos, sendo por isso de uma altura de indefinição quanto ao número destes no escudo real.

1 comentário:

  1. A pedra de armas encontra-se visível no pátio do museu e está aberto ao publico.

    Eu já lá estive de propósito para a ver.
    Se quiser envio-lhe imagens da mesma.

    Deixo-lhe meu contacto: j.fmartins@sapo.pt

    ResponderEliminar