sexta-feira, 26 de maio de 2017

O órgão de tubos do Palácio de Cristal (2)

Se atrás vimos como se compunha este instrumento que por perto de 80 anos teve lugar cativo lá ao fundinho da nave central do extinto Palácio de Cristal, vamos agora partir para a parte mais difícil desta jornada: o seu triste desaparecimento.

(Os apontamentos abaixo foram também eles coligidos do artigo de L. A. Esteves Pereira, mencionado na entrada anterior.)

No ano de 1935 quis a Câmara Municipal proceder à reparação do órgão. Para isso aceitou, em julho, várias propostas de afinadores e construtores nacionais e estrangeiros. A própria casa que construira o instrumento quase cem anos antes se disponibilizara para trazer um técnico ao Porto, por forma vistoria-lo e apresentar então a sua proposta.

Não obstante todas elas terem sido avaliadas, certo é que o restauro nunca teve lugar, e assim permaneceu o instrumento mudo por mais uns bons anos.

A nave central num postal do início do século passado. Ao fundo, ainda imponente, podemos ver o órgão (foto AHMP)

Em 1947 a Câmara do Porto fez vir à cidade um técnico da firma que lisboeta que anos antes apresentara proposta, com o intuito de examinar e avaliar o órgão e de seguida apresentar a sua proposta. Esta firma foi consultada por indicação do diretor do Conservatório Nacional, Dr. Ivo Cruz.

As notas que se vão ler abaixo são do sócio gerente da firma João Sampaio, Lda, Eng. José Ramos Sampaio, e são a constatação e uma evocação da miséria a que aquele instrumento havia chegado:

-- // --

«(...) Fomos ao Palácio. Não nos queriam deixar entrar, sendo necessário para isso mostrar a carta em que a Câmara me participava a aceitação das condições para eu fazer a dita vistoria.

Logo atrás de mim veio um outro guarda que disse depois que tinha ouvido a conversa e vinha para auxiliar em qualquer coisa.

Depois de por uma escada de madeira, restos de um escadote improvisado e termos improvisado e termos subido para o estrado do orgão, despimos os casacos e vestimos os fatos de macaco (eu e o Mário). Entramos lá dentro levando eu a pasta com os apontamentos.
O exterior do edifício também num postal do início do século passado. Quem sabe terá sido por este lado que o órgão foi sendo peça a peça subtraído? (foto AHMP)

Fiquei espantado quando vi que tinham desaparecido todos os tubos. O Mário só encontrou um minúsculo, fino como metade de um lápis e que estava caído e quase não se via, por isso escapou. Não havia mais. Nos secretos todos, (exceto nos dos Pedais) não havia um tubo de madeira no lugar. Tinham sido todos tirados do lugar para facilitar o roubo e estavam amontoados sobre os secretos. Nos secretos laterais da pedaleira tinham ficado no lugar os tubos grandes de madeira e os funis (só os funis) dos tubos de palheta (os pés de chumbo com as palhetas desapareceram).

No secreto surdina (todo dentro de uma caixa expressiva) tinham tirado várias réguas expressivas para entrarem lá dentro e fazer a mesma devastação.

Era horrível o aspeto daquilo. Restavam os tubos da fachada, receavam talvez que se visse a falta.

Não escondi a minha revolta mesmo diante do guarda que estava lá com a gente, tendo eu até chamado a sua atenção para os sítios que pisava e onde podia estragar alguma coisa.

O homem disse-me que aquilo estaria assim há muitos anos! Respondi que não pois eu mesmo lá estivera havia 12 anos e não faltavam senão poucos tubos.

Contou-me que alguns empregados que estiveram já se tinham ido embora. um até tinha ido para a Venezuela!

Os teclados e registos têm à frente umas portas envidraçadas. Estavam fechadas à chave.

No outro dia visitei o Diretor dos Serviços Culturais, na Câmara...

Voltámos [para Lisboa] no rápido da tarde.

Assim se perdeu uma bela obra e nós um possível trabalho.»

-- // --

Ou seja, o órgão estava já irremediavelmente perdido...

Assim, graças à egoísta ratonice de alguns que viram ali presa fácil para o ganho de alguns escudos; se perdeu um instrumento que ainda hoje poderia estar a fazer as delícias dos ouvidos portuenses, mesmo que não no local onde fora originalmente instalado, por também este ter sido vítima (oh que vítima!) de um crime de lesa património perpetrado por quem dele deveria cuidar!

domingo, 21 de maio de 2017

O órgão de tubos do Palácio de Cristal (1)

O muito recordado Palácio de Cristal, monumento ingloriamente desaparecido, tinha no fundo da sua nave central um estrado onde se poderia instalar uma orquestra com grande número de instrumentos e no fundo deste habitava um órgão de tubos magnífico, se não no som pelo menos na monumentalidade.

Os apontamentos que abaixo apresento não foram originalmente compilados por mim, mas sim por L. A. Esteves Pereira, e apresentados na revista O Tripeiro de dezembro de 1972. Para aqui traslado as informações sobre a composição do instrumento, bem como informações sobre o seu desaparecimento; que aliás antecedeu vários anos a destruição do edifício e não terá ocorrido de uma assentada, por assim dizer.

Sigamos então aquele autor:

«Os seus 2750 tubos repartiam-se por quatro secções correspondentes a quatro teclados manuais e mais uma seção correspondente ao teclado da pedaleira. Os quatro teclados manuais possuíam 56 notas (dó 1 ao sol 5) e a pedaleira 32 notas (dó 1 a sol 3). O conjunto de tubos era repartido do seguinte modo:

1.º teclado - Órgão do Coro - 8 registos;
2.º teclado - Órgão do Principal - 13 registos;
3.º teclado - Órgão do Expressivo - 12 registos;
4.º teclado - Órgão do Sola - 4 registos;
Pedaleira - Órgão do Pedal - 7 registos.

Ao todo 44 registos sonoros, mais 6 registos de acoplamentos, a saber:

Acoplamento Coro/Pedal;
Acoplamento Principal/Pedal;
Acoplamento Expressivo/Pedal;
Acoplamento Solo/Pedal;
Acoplamento Expressivo/Principal;
Acoplamento Expressivo/Coro.

A nave central do edifício vendo-se (mal) ao fundo o órgão de tubos (foto AHMP)

A caixa expressiva onde estavam encerrados todos os tubos do 3.º manual (órgão expressivo) era fechada por réguas que, em dois grupos de 10, fechavam as duas janelas anteriores e que se moviam com toda a facilidade, por meio de um pedal de expressão.

A transmissão do movimento das teclas até às válvulas dos tubos era completamente mecânica, assim como o movimento dos tirantes dos registos.

O ar comprimido era fornecido por 3 foles paralelos, com um volume total aproximado de 8 m3, com bombas diagonais acionadas manualmente por alavancas.

A fachada era constituída por tubos pertencentes aos registos dos Principais de 8 a 16 pés abertos, havendo no órgão do pedal, um registo de 32 pés, tapado, em madeira. As quatro torretas da fachada eram constituídas por 5 tubos, além de um plano central de 11 tubos e dois laterais de 9, cada.»

O autor continua referindo a possível disposição que o instrumento tinha, mas que não lhe permitia tomar como definitiva umas vez que os elementos de que dispunha «já se encontravam prejudicados pelo mau estado de conservação em que o órgão se encontrava, à data em que foram colhidos». Aliás no final desta sua hipótese de disposição, o mesmo autor refere: «Entre parêntesis vão os nomes equivalentes, em inglês, que teriam sido os originais e que estavam, na sua maior, parte já ilegíveis, quando estas notas foram tomadas.» Opto por não colocar aqui a disposição aventada pelo autor, remetendo o leitor interessado para aquele número da secular revista O Tripeiro.

Apenas mencionar que o autor, aquando da sua inspeção ao instrumento verificou a existência da seguinte inscrição:

Este órgão foi reformado e afinado por técnicos da minha casa nos meses de abril e maio deste ano.
Porto 25 de maio de 1916

Memória que havia sido colocada pelo fabricante de pianos e órgãos A. Gomes de Faria, estabelecido na Rua de Regeneração, n.º 25[1].

Segundo o que escreve I. de Vilhena, Barbosa a pp. 11 do Arquivo Pitoresco de 1866: «Este soberbo órgão (...) foi fabricado em Londres por J. W. Walker, que o apresentou na exposição universal que se realizou na mesma cidade no ano de 1862, onde obteve prémio. Custou uns quatro contos à sociedade do Palácio de Cristal portuense.»

___
1] Esta rua é a continuação da Rua do Almada pela lateral da Praça da República e o quartel, até ao Largo da Lapa.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sobre o obelisco do Mindelo

Desta vez fujo um bom bocado do propósito deste blogue, que recai sobretudo sobre o centro histórico do Porto e seus antigos arrabaldes...

Após a vitória de D. Pedro IV em 1834, aquela que será por ventura a primeira proposta para erguer um monumento na praia onde teve lugar o desembarque inicial das forças liberais é originária de 1835 e da autoria de J. J. Lopes de Lima, escrita a 31 de janeiro do ano referido. No final, e após apresentação em cortes o projeto «ficou para segunda leitura». O Diário do Porto publicou este texto em 18 de fevereiro, dias após a sua apresentação em cortes por Manuel Passos (ou Passos Manuel, como é mais conhecido desde há muito tempo para cá)

-- // --

PROJETO DE LEI

Art. 1.º - Na praia do Mindelo, no lugar aonde se efetuou no dia 8 de julho de 1832 o desembarque do Exército Libertador, comandado por sua Magestade Imperial o senhor D. Pedro, Duque de Bragança, de saudosissima memória, se elevará uma pirâmide triangular, de construção sólida e doradoura; mas de uma estrutura simples, e económica.

§ 1.º Na frente do lado do mar se lerá em grossas letras de bronze dourado - 8 de Julho de 1832 - e por baixo, em letras menores do mesmo metal, esta legenda:
Eis o dia maior da heroicidade!
Dom Pedro e os seus aqui tomaram terra:
Moveu-se ao Despotismo assídua guerra
E o Reinado nasceu da Liberdade

§ 2.º Na frente que olha para a cidade do Porto, se esculpirá uma lista dos Corpos que desembarcaram, formando a Expedição, sua força, e os nomes dos Senhores D. Pedro, dos seus ministros, dos seus generais, comandantes de Corpos etc.e por cima, em letras de bronze, esta legenda:
Sete mil e quinhentos combatentes
Triunfaram da fome, e dos pelouros;
O Porto o viu... e vos pasmai, Vindouros,
E imitai os seus feitos excelentes.

§ 3.º Na frente do lado do norte se esculpirá uma lista das forças do usurpador (cujo nome se omitirá por desprezo); e por cima, em letras de bronze, a seguinte legenda:
Em luta desigual vencer tirano
Impossível não foi, bem que pasmoso!...
Daqui aprenda o déspota orgulhoso
Quanto podem os brios Lusitanos.

Art. 2.º Para a fundição de todas as letras, e chapas de bronze da pirâmide, será aplicada a grande peça de J. P. Cordeiro, e mesmo, a ser necessário, mais algumas tomadas aos rebeldes, das que fizeram fogo sobre o Porto.

Art. 3.º A direção dos trabalhos para a construção deste monumento, será confiada por o Governo à Câmara Municipal da muito Nobre e sempre Leal Cidade do Porto; incumbindo-lhe igualmente para o futuro o vigiar sobre a sua conservação. À vista da sua proposta o Governo lhe adjudicará desde logo os fundos necessários para se levar a efeito.

-- // --

Curioso notar que este projeto prevê uma pirâmide de três faces e com letras de bronze. Mais curioso é ver o simbolismo do grande canhão que D. Manuel trouxe para o Porto ver a sua matéria prima ser utilizada na fundição das letras para este monumento. Este canhão fora arrastado de Lisboa para o Vila Nova de Gaia por várias juntas de bois durante semanas e fora alcunhado de mata malhados, tendo sido tão inútil que cedo os portuenses o elegeram como alvo de chacota.

Em relação ao monumento, este apenas veria a sua primeira pedra lançada em 1840 por iniciativa de António José de Ávila. Às custas de doações através de uma subscrição pública lá se foi lentamente erguendo na Praia da Memória junto à divisão das freguesias de Lavra e Perafita. Concluído em 1864, o concretizado um monumento muito diferente do que acima se descreve e a bem da verdade, para muito melhor a julgar pela projeto.

O monumento na atualidade (foto SIPA)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Como se completou o Jardim de S. Lázaro

Este texto, colhi-o no periódico de 1834 Chronica Constitucional da Cidade do Porto, mais precisamente do dia 14 de Outubro, e abre-nos uma fresta para o Porto de há poucos meses após o fim da guerra, quando as pessoas se começavam a preocupar com a sadia fruição dos seus tempos livres, agora que já não necessitavam de temer por um tiro de canhão não lhes cair dentro de casa...

O texto é longo, mas vale a pena pelo imersão no Porto daquele tempo que nos provoca...

« »

Todos sabem, e era matéria afluente nas conversações acerca de diversos recreios, quando se tratava de falar em aformoseamento desta cidade, que o único passeio público que podia merecer esse nome, era a alameda e paredão das Fontainhas; passeio que infelizmente, havendo sido uma das belas projeções de Francisco de Almada, peca no defeito capital da proximidade do matadouro geral, que torna o local incómodo, se não mesmo insadio, tanto pelo cheiro, e imundice, quanto pela asquerosa concorrência dos que traficam nesse modo de vida ainda tão fora de polícia e limpeza corporal em seu manejo; pois que se em algum ramo se conhece o atraso de melhoramentos municipais em comparação com Inglaterra, França, Bélgica e Holanda, que tantos emigrados observaram, é decerto nesta parte de similhantes trabalhos no uso dos misteres necessários ao uso da vida![1]

E nem só a natureza do cheiro do assento do matadouro nas costas do passeio, e junto à mãe de água tornam este sítio insalubre e desagradável; a existência de uma fábrica de curtumes de pelicas, com os seus tanque à face de mais de metade da sua extensão, é por outro outro lado a segunda causa de intolerável persistência num sítio com tantas proporções de ser, sem estes inconvenientes, um dos mais próprios a gozar de vistas pitorescas, ou ao longo do rio para o lado de seu tráfico comercial até ao cais por baixo da eminência do antigo castelo de Gaia, ou para o lado de suas ribeiras e vales de Quebrantões, coroados pelos declives em anfiteatro dos outeiros e colinas de Oliveira do Douro e Avintes em diferentes planos e distâncias!
Planta de 1798 do AHMP. Nela se vê o campo de S. Lázaro (A) , onde veio a ser construído o jardim; o matadouro (B) e com a letra D assinalo o local do inicio da Ponte do Infante (para auxílio da percepção do local).
Nesta falta de um passeio público digno da segunda capital do reino, enquanto se não leva a efeito o tão apregoado sistema da remoção do matadouro para o Monte Pedral, e dos pelames para diverso local acomodado, era forçoso lançar mão de outro sítio onde se pudesse formar um passeio que no entanto substituísse aquela insuficiência, cuja duração não se sabe aonde poderá ter seu limite.[2]

O campo de S. Lázaro oferecia uma substituição sofrível em sua posição, como chave da aproximação de duas estradas, a de Valongo à esquerda, e a de Campanhã à direita, direções tão frequentadas aos Domingos e dias festivos para poder ser uma praça aformoseada, capaz de suprir o intento no intermédio em que as Fontainhas se melhoram, ou que um passeio público, digno deste nome, se erige.

A supressão do convento dos frades Antoninhos facilitava ũa das mais apreciáveis regalias, que nestes estabelecimentos se requerem, qual a do serviço do imenso jorro de água, que dando um ar de beleza ao seu centro em tanque majestoso, facilitasse a rega dos arbustos, plantas e flores que adornassem os tabuleiros da sua configuração.

Tentou pois uma autoridade superior desta cidade, o fazer edificar um jardim em frente da livraria pública, criada por decreto do imortal duque regente, de saudosíssima memória, assim como da Galaria de Pinturas que se fundou com a denominação de Ateneu D. Pedro; fundações estabelecidas na parte superior e inferior do edifício do referido convento de Santo António da Cidade, concedido pelo governo para obras de tão transcendente utilidade.[3]
Edifício do antigo Asilo de Mendicidade, que resulta da adaptação do do antigo Matadouro referido no texto (ver também: aqui), edifício bem visível para quem atravessa o rio pela ponte do Infante.
Deu-se pois princípio a esta obra, debaixo da direção do Sr. J. B. Ribeiro, que teve a satisfação de ver no espaço de 3 meses correr água para o espaçoso tanque que se edificou no meio da praça, de que um quarto de configuração se ultimou logo, e de que até hoje, que pouco mais ou menos se contam 7 meses de trabalho, quasi metade está completo, incluindo-se a magnifica escadaria que deve servir de entrada principal do lado da Rua de Entreparedes.

A satisfação que toda a cidade mostrou no andamento desta obra tão popular, manifestou-se desde o princípio na continuada concorrência de todas as famílias do Porto, e de seus habitantes em geral, que todas as tardes, e principalmente nos dias festivos enchem o recinto deste sítio tão aprazível e agradável.

Por outro lado se tem manifestado esta popularidade de aprovação, nos imensos presentes com que tem sido brindado o jardim, como já em outra ocasião mencionamos a respeito do Sr. L. S. de C. - modernamente temos a mencionar acerca dos Srs. M. L. C. e seu filho – J. J. de F. - J. L. - M. F. S. - A. P. d’A. - J. G. R. N. - D. J. R. G. - e do próprio jardineiro, e de outras muitas pessoas e famílias, que tem ofertado arbustos, flores, e sementes, em tal quantidade, que  sua variedade e profusão se tem feito notável e rica.

Mas tanta prosperidade do jardim, está balanceada pelas ocorrências sobre vindas, e é preciso ou acudir-lhe, ou ver perder-se no espaço de poucas semanas o fruto de tantos meses, e as esperanças da permanência deste recreativo passeio!

É alheio deste lugar a investigação das causas, e dos motivos porque os meios, que tem servido até agora, para por o jardim no estado em que se acha, pararam de repente! Consola-nos contudo a esperança, de que assim como as obra da Livraria Pública, e do Ateneu pararam, sendo natural que o governo não queira que elas venham a aumentar o anexim de que no Porto tudo fica em começo, ou fica torto – venha a olhar por isto, porque o povo necessita de instrução e recreio, e o Porto merece que tais obras principiadas tenham o seu andamento e conclusão.

Deixando porém a Livraria, e o Ateneu, como obras mais gigantescas, e que por si falarão altamente por orgão da necessidade de acudir ao edifício arruinado pelas obras em projeto, e que a não acabar-se, ameação prejuizo mais iminente – do que se imagina…

Tratemos do nosso jardim, que bem nosso lhe podemos chamar pela posse de concorrermos ali, nós todos os habitantes do Porto, que estamos no hábito da sua diária, e contínua fruição.

Se lhe não acudimos, ele perece; e o modo de lhe acudir é fácil, e acessível a todas as famílias e amadores deste recreio.

Está aberta uma subscrição puramente particular, de 480 rs. por cabeça, para costear, e beneficiar, tanto quanto seja possível, com o fundo resultante, o estado, e melhoramento do jardim.

O mesmo Sr. J. B. Ribeiro, sabemos que se presta a coadjuvar com a sua direção o progresso das obras em andamento, e no fim de cada mês se darão contas públicas por nossa intervenção, para se saber que a mesma economia se emprega neste objeto.
O jardim de S. Lázaro num conhecido postal do início do século passado. Vê-se também o antigo Recolhimento das Orfãs, já com a sua ala nascente construída bem como a Rua de S. Victor logo a seguir, que também se encontrava já alinhada desde a Praça das Flores em direção à Av. Rodrigues de Freitas.
O meio de se darem contas públicas sem se usar dos nomes de pessoas, que talvez tenham melindre de que seus nomes sejam referidos, é seguir o método usado em países estrangeiros: cada subscritor ou seja mencionado com letras iniciais, ou com o anónimo, tem o seu n.º de algarismo, e por eles assim se nota o total da receita, para que cada pessoa vendo o seu número, saiba que a sua quantia entrou legitimamente, e teve  a saída na despesa respetiva.

O Sr. J. B. Ribeiro é o próprio tesoureiro, e sabemos que as obras  já desde o principio deste mês correm por conta da subscrição particular.

É a primeira vez que entre nós se pratica este método de auxílio a obras públicas; e esperemos que ele seja tão profícuo, quanto é útil o seu fim.

« »

1 - Nas Fontainhas construíram-se, no século XVIII, a alameda e o matadouro (só terminado em 1808). Para esta zona foram também transferidos os aloques da Biquinha, ou seja, a suja indústria dos curtumes que por séculos se manteve no local onde hoje temos a  fonte monumental da Rua Mouzinho da Silveira.
2 - Esta transferência viria a ocorrer umas décadas depois, para o local onde atualmente se encontra a Direção de Ambiente da câmara, na Rua de São Dinis.
3 - Nos seus primeiros anos a biblioteca municipal ocupava apenas o andar superior do edifício onde ainda hoje se encontra, sendo que por baixo se encontrava o Ateneu, que, nada tendo que ver com a instituição que hoje dignifica este nome; levantou durante uns bons anos o estandarte de museu municipal (foi este museu que em 1838 cedeu o lavatório da sacristia do convento dominicano para o Jardim de S. Lázaro onde ainda está; obra fina feita para interior mas exposto à inclemência do tempo há quase duzentos anos!).

sábado, 29 de abril de 2017

Breves reflexões à volta de uma panorâmica com 150 anos

A foto que se vê abaixo já à coloquei aqui há uns anos e entretanto apareceu já também em outras páginas devotadas à história da cidade: encontra-se disponível no AHMP. Contudo em 2012 coloquei observações minhas que mais ou menos de uma forma geral procuravam descrever o que nela se vê. Ora, no mesmo vol. de O Tripeiro onde recolhi informação para a postagem anterior, também sobre esta foto surgem comentários produzidos por leitores da época - 1949 - que ainda chegaram a conhecer o Porto daquele tempo.
São algumas dessas observações que aqui sintetizo:

(clicar para ver as letras referidas no texto)

1- «A torre e edifício conventual é de S. Bento de Ave-Maria, onde está hoje a nossa estação central. Parece que ainda estou a ver, naquele pátio ao lado direito[A], os retrozeiros da Rua do Loureiro com as suas maquinetas a fazer torceduras e os petizes, como eu, a fazerem partidinhas inocentes...»
(João Moreira da Silva)

2- "Temos, para nascente e no primeiro plano, os prédios dos Loios, o convento de S. Bento de Ave-Maria, divisando-se aquelas janelas com seus parapeitos de grades, no andar superior ... ; a torre de tal convento[B]; a majestosa construção da porta da igreja e que se eleva logo próximo da torre[C], virada a sul; a fachada poente que em ângulo fechava o pátio de honra da igreja e que fazia quina para a rua do Loureiro; a cerca convento, que nuns três (?) dias do ano era facultada ao público e nele havia uma espécie de arraial em que entravam assadeiras de castanhas...»
(Wendel dos Reis)

3 - «Para quem não é do tempo em que fotografado foi tal local, não compreenderá aquela mancha escura [D] ... : eram os quintais das ruas de Santa Catarina e de Santo António, e onde, para poente, e portanto nas trazeiras do Ateneu Comercial, aí por 1880 e tal se construiu a fábrica de electricidade, cujo cano de tijolo para a tiragem do fumo, bastante alto, tinha, no rebordo do anel de saída, uma roldana na qual uma lâmpada eléctrica, suspensa, dava luz de noite, e por um fio era guindada quando tinha de ser substituída.
Tudo isto então, constituia um acontecimento!
...
A casa saliente que se vê oblíqua facejando as ruas de Santo Antonio e da Madeira tinha um estabelecimento de mercearia iluminado a velas de sebo sobre o balcão...» [E]
(Wendel dos Reis)

Faço aqui apenas a observação que a tal mancha escura referida é também parte da Viela da Neta, que veio posteriormente a dar lugar à Rua de Sá da Bandeira. Aí se vê o terreno compreendido sensivelmente entre o teatro Sá da Bandeira e a esquina com a Rua de Passos Manuel (a casa onde viveram os irmãos Passos ficava precisamente na Viela da Neta).
O leitor interessado em mais pormenores poderá consultar a postagem de 2012, seguindo a ligação presente no início deste texto.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Nota de rodapé n.º 8 - pormenores fotográficos

No já longínquo ano de 1948 a revista O Tripeiro exibiu na sua capa a imagem que abaixo se reproduz (via AHMP). É uma bonita imagem do mosteiro de S. Bento de Ave-Maria (substituído pela Estação de S. Bento no início do século XX), mostrando o lado voltado à Rua do Loureiro. Aqui ficava a igreja do cenóbio ao qual, como em todos os conventos e mosteiros femininos, se acedia por uma porta lateral.

Esta imagem já foi provavelmente vista por muitos, se não todos, os meus leitores. Mas as fotografias dos monumentos antigos muitas das vezes escondem história... e se não tivermos a sorte de alguém o registar ou divulgar perdem-se, como tanta coisa que se perdeu por se crer de nenhuma importância.

Atente-se então no retângulo na foto e seu pormenor que extraí, seguido do comentário à mesma, que um certo A.E.C. fez na secção Ainda se lembra da revista O Tripeiro de Junho de 1949:
Para além do pormenor referido pelo autor das linhas que reproduzo (1), pode-se também ver nesta foto o que parece ser um engraxador abrigado do sol ardente esperando cliente (2); e na fonte, embora o tempo de exposição da chapa fosse tão longo que apenas nos permita ver "fantasmas" de pessoas em movimento, se depreende que havia mais movimento do que aquele que aparenta (3).

«Vi, acompanhando o seu número de Maio [de 1948], a bonita gravura do mosteiro das freiras beneditinas, um dos mais interessantes e típicos monumentos da arquitectura monástica portuguesa, que não pôde resistir ao camartelo modernizador.

Atrairam a minha atenção nessa estampa dois pormenores, que provàvelmente a maioria da população actual da cidade não terá conseguido interpretar.

À direita, no alto dos dois lanços da escadaria do adro da igreja, divisam-se duas coisas que fazem lembrar enormes piornas, ou então jarras bojudas.
...
Muitos julgarão serem ornamentos fazendo parte do conjunto arquitectónico do edifício, mas não era assim. Eram torcedores constituidos por um jogo de rodas diferenciais, movidas à mão por uma manivela, com que os serigueiros cochavam os cordões das suas passamanarias. Esse trabalho fazia-se muito frequentemente, esticando os cordões ao longo (sentido Este-Oeste) do adro ou grande pátio lageado da igreja do convento, o qual marginava a rua do Loureiro, torcendo-os depois - serviço assás barulhento - com os discos que o quadro mostra.»

Como vê o caro leitor, se as imagens falassem quantos pequenos fragmentos históricos teriam para nos contar?...

sexta-feira, 21 de abril de 2017

O correio no Porto - apontamentos para a sua história

Embora o estabelecimento de serviços postais em Portugal venha já de alguns séculos atrás, a sua generalização, ou massificação, é em alguma medida consequência do fontismo (termo generalista usado como sinónimo do Progresso que o país materialmente experimentou a partir da chegada de Fontes Pereira de Melo ao poder). No caso dos correios, foi nessa altura que se fez uma reforma estrutural dos serviços onde por exemplo se generalizou a distribuição porta a porta nos centros urbanos e também a diferenciação dos preços a pagar através dos agora tão comuns selos.

No Porto, a administração dos Correios passou por diversos locais, mas para a época que nos interessa, inícios do século XIX, este serviço albergava-se num edifício localizado entre as atuais ruas de Cândido dos Reis e Conde de Vizela, com fachada virada para a rua das Carmelitas[1].
Segundo li em artigo de O Tripeiro, apenas em 1836 passou para o extinto convento das Carmelitas, agora totalmente desaparecido mas que na altura centralizava várias repartições do Estado; contudo como vamos ler abaixo, essa mudança fez-se provavelmente uns anos antes...
Estas duas fotos provenientes de postais antigos mostram-nos a Rua das Carmelitas nos inícios de novecentos: 1- Edifício onde esteve sediada a Administração do Correio[1]; 2- Igreja dos Clérigos; 3 - Antigo convento das Carmelitas, onde largos anos esteve também sediado a Administração do Correio; 4 - Mercado do Anjo, construído em 1837.

Os curiosos apontamentos que abaixo apresento foram retiradas de periódicos portuenses:

1. A Junta Provisória Encarregada de Manter a Legítima Autoridade de El Rei o Sr. D. Pedro IV mandou em junto de 1828 que o administrador do correio do Porto fizesse estabelecer dous ou tres pontos nesta cidade, onde julgar mais proveitosos, caixas para receção de cartas, encarregando a sua guarda e vigilância a pessoas de probidade; isto para facilitar ao público comodidades para a remessa das correspondências particulares. Com a ressalva de que: para não retardar a regular partida dos correios para as diferentes partes do reino, tomará Vm. as medidas necessárias, em relação às distâncias em que estiverem colocadas as caixas, para mandar recolher a essa administração as que se acharem dentro delas.

Era uma modernidade!: três caixas de correio espalhadas pela cidade, dando descanso aos pés dos interessados, obstando-os de um longo caminho até à casa da administração! Se de facto a situação prevaleceu no tempo ou não é algo que desconheço, pois poucos meses depois o país "absolutismou" com D. Miguel usurpando o poder e os partidários de D. Pedro fugindo para Inglaterra![2].

Notícia mais interessante foi a que encontrei remontando a 1834, quase um ano depois do fim do cerco à cidade (1832-1833), nos derradeiros meses da guerra civil (1828-1834):

«Somos authorizados a annunciar, que para utilidade pública dos Habitantes desta Cidade se achão deffinitivamente collocadas em differentes paragens,  - Caixas para recepção das Cartas – a fim de se evitar a demora em remessas á Administração do Correio, aonde até agora havia unicamente a Caixa geral.
Os sitios onde se achão as Caixas, são os seguintes:
- Na Porta Nobre, da parte de fóra.
- Na Esquina, entre a rua dos Inglezes, e a rua de S. João.
- Na Feira de S. Bento das Freiras.
- No Largo da Batalha, junto á Capella.
- Na Rua direita, defronte da travessa dos Capuchos.
- Na Esquina, entre a rua do Bomjardim, e a rua do Estevão.
- Na Rua d’Almada, ao cimo.
- Na Esquina entre a rua de Cedofeita, e a rua dos Bragas.
- Em Villa Nova, no Cabeçudo.
- E nas Costeiras.
Os moradores proximos destes sitios podem informar-se das horas a que da Administração do Correio se mandão tirar as Cartas, conforme está escripto em cada huma, para ficarem certos de que todas as Cartas deitadas antes das horas fixadas são expedidas na competente partida regular, - e que deitadas depois sómente são enviadas no turno seguinte.
A utilidade deste estabelecimento, que na Capital se acha em via há muitos annos, mas que a estupida crença dos Sectarios de D. Miguel julgou innovação perigosa para o Porto, quando em 1828 o Absolutismo reassumiu o sceptro de ferro, depois de alguns dias de uso, - he evidentemente proveitosa porque assim vimos a ter ramificada em diversos 11 pontos a recepção de todas as Cartas para o Correio, com a mesma regularidade, com que até agora se usava na que se acha á porta da Administração, no extincto Convento das Carmelitas.»

Ou seja, estamos a falar dos primeiros marcos de correio que foram realmente estabelecidos na cidade! Mas o artigo vai mais longe:

«Da mesma fórma, se tem tomado medidas para pouco e pouco se ir estabelecendo a Posta pequena, que he encarregada de entregar as Cartas em casa de que para isso der ordem, logo que cheguem os Correios, pagando sómente 5 reis em cada carta, a maior, do preço da Lei para o Correio Geral. As Pessoas que desejarem receber assim as suas Cartas, queirão avisar a Administração do Correio nesta Cidade; ou por Carta lançada em qualquer das Caixas, ou no mesmo local da Distribuição.»

Como os meus caros leitores compreenderão, a posta pequena é nada mais, nada menos do que a entrega ao domicílio da correspondência; coisa tão banal nos dias que correm... Mas prossigamos com a leitura do artigo que é deveras interessante:

«He preciso desarreigar varios prejuizos, e de certo he hum dos que temos mais inveterados, o uso de julgarmos por melhor o escreverem-se os nomes de quem tem Cartas a receber, em Listas públicas á porta do Correio, habilitando assim quem quizer a hir tirar as Cartas que lhe parecer, sem responsabilidade de quem as entrega, porque não he obrigado a conhecer todo o mundo nem a saber se esta ou aquella pessoa vai mandado pelo dono da Carta &c. Presentemente, não he possivel pôr em pratica com regular distribuição a entrega geral pelas diferentes casas, porque não tendo ainda voltado a suas habituaes residencias os moradores dos diversos Bairros, pela mudança forçada em rasão dos projecteis do inimigo, composição d’antigas habitações &c, em vez de se acreditar o novo arranjo, acharia nos tropêços desta confusão de moradias, hum estorvo terrivel. Mas pouco e pouco he necessario hir acostumando, até por que pouco e pouco se vai habitualmente regulando o exercicio dos Entregadores etc. Porque ao principio se acham embaraçados em qualquer forma, querer logo que se diga que a innovação he má, parece desairoso na bocca de quem confessa a todos os respeitos, que he preciso sahir da velha rotina de abusos. Queixe-se quem julgar irregularidades, e se depois as não vir remediadas, embora grite, que a opinião geral fará justiça, porque ás vezes he o frenezi do genio que falla, e não a justêza do raciocinio do Cidadão impaciente, e desarrazoado. Em as cousas tomando o habito antigo das moradas certas e regulares, há de fazer-se no Porto, o que se faz já em Lisboa, e nos Paizes civilisados, que a experiencia d’abusos teve a felicidade de corrigir por fortuna delles, primeiro que nos tocasse a nossa vez.
Vamos por tantou pouco e pouco, que vamos melhor, e as Pessoas interessadas em que nos mostremos dignos de reformas, e não bisonhos e faltos de instrucção para as receber, principiem a dar o exemplo: estabeleça-se a Posta pequena para se nos entregar a correspondencia, mandando nossos nomes para isso ao Correio, pois que as Pessoas de menos raciocinio, vendo o exemplo desenvolvido pela prática, convencem-se e seguem a marcha dos outros.»[3]

Aqui estão uns simples parágrafos, caro leitor, que nos abre uma janela para o Porto de oitocentos e nos mostra alguns pormenores dele que não fazem parte da história, pois a maioria destes pormenores ficaram perdidos no tempo, envoltos em generalidades necessárias para efeitos de concisão, repetidas sobre esse mesmo quotidiano ou simplesmente esquecidos no tempo...
Seriam os marcos de 1834 semelhantes a este do final de oitocentos, em baixo à esquerda neste postal antigo? (cruzamento da Avenida Rodrigues de Freitas com a Rua de D. João IV; o marco está em frente a um dos portões do jardim de S. Lázaro, não visível na foto). 
Para terminar, e do mesmo jornal, extraio aquela que é talvez a primeira reclamação sobre as caixas do correio[4]:

«Ninguem poderá negar a utilidade desta innovação; mas quizera eu perguntar ao Sr. Administrador [do correio], porque rasão havia de hir incommodar o publico para conseguir este fim, pondo sobre os passeios caixas enormes, que quasi obrigào os caminhantes a descer delles, e de noite a esbarrar-se contra ellas, como acontece no cimo da rua d’Almada? Não seria melhor que a adoptar-se a medida, se seguisse o exemplo das nações onde ella está em pratica, pondo as Caixas em diversas lojas?» o protesto continua e extende-se também à «chiadeira dos carros, e hum certo perfume, que se consente derramar a toda a hora do dia pelas ruas da Cidade»; abusos que, segundo o autor, «só huma relaxação inaudita póde ter deixado introduzir» e espera também que se tomem «as providencias necessarias para a limpeza das ruas, e outros regulamentos indispensaveis de se pôrem em pratica n’huma Cidade com tantas porpoções para ser huma das mais aceadas e commodas»[5]

Embora não tenha encontrado qualquer referência ao início da distribuição domiciliária do correio, é evidente que ela já se encontrava em curso pelo aviso que surge publicado nos finais de Setembro:

«Previnem se as Pessoas que recebem Cartas pela pequena posta nesta cidade, e que tenhão tenção de querer a continuação da entrega como até aqui - que se houverem de mudar de habitação no proximo S. Miguel - haja de previnir a Administração a tempo de não soffrerem interrupção».[6]
_______________________
1 - Esta informação não a reputo como 100% correta pois ainda não vi estudo ou documento que apresente de uma forma credível a certeza de ter sido aquela casa.
2 -  Morrendo alguns às mãos de carrascos miguelistas na Praça da Liberdade. A notícia em si, colhi-a do Diário do Porto que existiu durante os curtos meses em que se manteve a Junta.
3 - Da Chronica Constitucional da Cidade do Porto de 21 de março de 1834.
4 - Os jornais a partir deste ano começam a ser verdadeiras portais de opinião equivalentes aos nossos desabafos de hoje nas "redes sociais". Por vezes existiam mesmo lutas bastante acesas entre fulano e sicrano, bem como periódicos onde o partidismo era declarado.
5 - O artigo era assinado simplesmente por hum portuense. Lembremos que a iluminação noturna era feita à época por lampiões de azeite e que não era fiscalizada corretamente, pelo que a sua luz era em muitos locais medíocre.
[6] - O S. Miguel de Setembro é o dia 29 desse mês, dedicado ao arcanjo; o costume de se pagar foros, rendas, etc ou mudar de casa nesse dia vinha já desde os tempos medievais.